A Superioridade do Evangelho.

Neste capítulo, Paulo está indignado por saber que o entendimento sobre a morte e a ressurreição de Jesus Cristo foi removido da mente dos Gálatas. Se a lei estava prestes a ser restabelecida na Igreja, a morte de Cristo não havia surtido efeito naquela comunidade.
As palavras de Paulo são duras. Ele, que no passado foi grande defensor da lei e que percebeu ser ela um grande empecilho para enxergar a graça de Jesus, se vê agora fazendo o papel oposto: Mostrar que a graça é superior à lei. Quando Paulo apresentou o Evangelho àquela igreja, a igreja creu na sua pregação, agora distante, ouviu rumores sobre “Outro Evangelho”, Paulo confronta os irmãos.

I. INSENSATOS GÁLATAS

Este juízo Paulino a respeito dos adversários em Gálatas nos leva a perguntar qual era a posição adotada pelos judaizantes.

Os judaizantes entenderam a eleição especial a Israel, e isto de um modo bem determinado: o principal é a idéia da eleição divina de Abraão e a sua descendência, o povo das doze tribos como prolongamento genealógico do patriarca. Gentios podem, excepcionalmente, por meio da circuncisão, e a guarda da lei, ser incorporados neste contexto, portanto, como prosélitos (cristãos). Por essa razão, Paulo argumenta severamente com os Gálatas:

“Ó gálatas insensatos! Quem vos fascinou a vós outros, ante cujos olhos foi Jesus Cristo exposto como crucificado? Quero apenas saber isto de vós, (Paulo estava irado, irritado com aquela Igreja. Vamos entender), recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Sois assim insensatos que, tendo começado no Espírito, estejais, agora, vos aperfeiçoando na carne? Terá sido em vão que tantas cousas sofrestes? Se, na verdade, foram em vão. Aquele, pois, que vos concede o Espírito e que opera milagres entre vós, porventura, o faz pelas obras da lei ou pela pregação da fé?” O que nós devemos seguir e viver? (Gálatas 3.1-5).

O apóstolo Paulo ficou perplexo com a rapidez com que os crentes gálatas haviam se desviado da fé. Eram filhos da fé de Paulo, foram evangelizados e doutrinados pelo apóstolo. Tão depressa se desviaram para seguir a estranhos, e o pior, um evangelho contraditório.

Paulo começa a defesa de seu evangelho relembrando aos Gálatas de que sua vida cristã, que teve início com Cristo crucificado e foi certificada pelo Espírito Santo, estava completamente separada da lei. Eles seriam tolos de abandonar o caminho de Deus e tentar alcançar a perfeição por seus próprios esforços.

Paulo se lembra dos tempos obscuros do legalismo (período de obras mortas (3.2)). “Começar no Espírito e aperfeiçoar na carne” (3.3), para o Apóstolo Paulo não é um aperfeiçoamento, mas retrocesso; voltar para as obras da lei.

Esse evangelho, cuja ação é questionada, como dom espiritual dos Gálatas (cf. a mesma argumentação em 2.7-9, não foi ele que os libertou da lei? Vocês querem agora concluir carnalmente o que iniciaram espiritualmente? Paulo explica aos Gálatas que sua obediência a lei significa uma recaída na situação que eles há muito haviam superado. A lei, por sua vez, não pode modificar o Evangelho dado por Cristo.

Paulo finaliza esta passagem revelando que o Espírito Santo, que opera milagres, que dá entendimento e que foi concedido mediante a Fé, está isento do cumprimento da lei (3.5). Ainda hoje, há algumas igrejas que têm introduzido práticas legalistas.

Foi muito difícil para a Igreja primitiva, constituída a princípio de judeus, aceitarem também que a porta da fé foi aberta aos nós gentios. Todos os pactos, a adoção de filhos, as alianças, as promessas e etc..., foram dados ao povo judeu: “Isto é, estes filhos de Deus não são propriamente os da carne, mas devem ser considerados como descendência os filhos da promessa” (Rm 9.8).

Deus trouxe uma revelação bem clara ao apóstolo Pedro, através daquele lençol que descia do céu, com todo tipo de animais, que para os judeus eram imundos (At 10.9-48), que nós gentios também fomos feitos um com eles (Ef 2.14).

A Bíblia Viva contém a seguinte leitura deste versículo:

“Gálatas insensatos! Quem foi o feiticeiro que os sugestionou e pôs em vocês esse encantamento ruinoso? Em outras palavras: “Vocês enlouqueceram? Quem roubou a sua mente?” Paulo estava fora de si. Quem havia hipnotizado os gálatas antes completamente despertos?

“Quem vos fascinou” (v.1). O verbo no original para “fascinar” é baskaino, e só aparece em todo Novo Testamento nesta passagem. Na literatura grega clássica da época tem o sentido de “enfeitiçar”. Os gálatas receberam o Espírito Santo quando creram na mensagem que Paulo pregou, e não pelas obras da lei. Era uma experiência extraordinária do poder transformador de Deus na vida deles. Como agora podiam trocar essa experiência verdadeira cristã por um evangelho espúrio e contrário ao que o apóstolo pregou? Estava agora estupefato com a insensatez (loucura) dos gálatas. Não podia crer que essa gente pudesse ser iludida, como se fosse mentira (Jo 8.44).

Os LEGALISTAS são como feiticeiros do mal, desviando os olhos de suas vítimas da cruz para a lei. Entretanto, os gálatas não têm desculpa, pois Paulo lhes deixou bem claro o significado da cruz. Os judeus consideravam Abraão como seu pai e fonte de suas bênçãos espirituais. Eles acreditavam que a simples ascendência física de Abraão os tornava justo. Paulo mostra que Abraão agradou a Deus pela fé e não por realizar obras da lei, uma vez que a lei não existia na época de Abraão. Ele também insiste que os verdadeiros filhos de Abraão, e herdeiros da bênção prometida, são aqueles que vivem pelo princípio da fé. Paulo apresenta as alternativas da fé (v. 11), e da lei (v. 12) como formas de justificação. Entretanto, ao invés de justificar, a lei mal diz (v. 10), pois faz exigências que ninguém pode cumprir.

O legalismo está fundamentado no uso inadequado da lei. Quando abraçamos o legalismo, abrimos a porta para a feitiçaria entrar nas nossas vidas. O legalismo libera uma feitiçaria, um fascínio demoníaco que se manifesta através da manipulação, da dominação e da intimidação, que roubam nossa sensibilidade e bom senso em relação ao Evangelho.

Ao invés de desenvolver uma comunhão entre os irmãos, o legalismo faz com que os líderes ajam com extrema severidade e sem misericórdia. Na igreja a pessoa legalista se irrita por questões insignificantes e amorais, fazendo com que a igreja se distraia do seu real propósito, e assim por diante.

Qual é o fruto do legalismo? Morte. Por isso, produzir fruto é uma questão de relacionamento e não esforço. Na verdade, o legalismo destrói o relacionamento e a unidade do corpo.

Que intrigante e curioso é esta passagem de gálatas 3. O Apóstolo Paulo chamando uma Igreja, pessoas ditas evangélicas, chamando Ò Gálatas insensatos! Ora, parece uma postura arrogante e provocativa do Apóstolo. A impressão que se tem é que ele estava provocando aquelas pessoas, sendo arrogante, mas não, esta passagem nos mostra o quanto isso indignava Paulo. Ver os gentios que eram selos do seu apostolado vivendo debaixo das obras da lei. Isto indignava o coração desse Apóstolo. Alguém pode me perguntar:

“Uma Igreja que se diz cristã, evangélica pode se tornar insensata, eu achei que todos os lugares que tem placa dizendo igreja são bons. São lugares de Deus, vivem corretamente o evangelho, pode uma igreja se tornar insensata, porque Paulo está dizendo isto a uma igreja, vocês são insensatos, pode uma igreja se tornar ignorante espiritualmente, viver algo que não está correto?”

Claro que pode, tanto pode que isto estava acontecendo com Gálatas, veja o que estava sucedendo; quem é que estava querendo confundir a vida dos gentios, você pode ver.

“Terá sido em vão que tantas coisas sofrestes? Se, na verdade, foram em vão” (Gl 3.4).

Será que já não basta o que pessoa sofre no mundo, já não basta o que pessoa sofreu antes de chegar a Igreja. Paulo disse Gálatas, olha, será que foi em vão o que vocês já sofreram, ou no mundo, ou na lei, ou onde quer que seja, vocês são selo do meu apostolado, vocês estão na graça e agora se submetendo as obras, aos sacrifícios. Aquele, pois que vos concede o Espírito e que opera milagres entre vós. Por ventura o faz por obras da lei ou pela pregação da fé. E eu termino lhe perguntando, então, você acha que Deus faz milagres como, pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Porque diz a palavra que Deus faz milagres entre vós pela pregação da fé em nome de Jesus.

A fé nos diz que nós já fomos curados, restaurados, perdoados, a fé nos diz que já somos mais que vencedores, e podemos todas as coisas naquele que nos fortalece, a fé.

Nenhum crente é salvo por mérito ou porque praticou alguma boa obra ou porque observou algum principio da lei, ou porque segue as tradições humanas de seus líderes. Todos os crentes em Jesus foram justificados, isto é, aceito por Deus, mediante a fé em Jesus (Tt 3.5).

II. ABRAÃO O PAI DA FÉ

1. O Exemplo de Abraão – 3.6-14

“É o caso de Abraão que creu em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça. Sabei, pois que os que são da fé são filhos de Abraão. Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o Evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti. De sorte que os da fé são benditos com o crente Abraão. Todos das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer, para fazê-las” (Gl 3.6-10).

A apresentação de Abraão não é por acaso. Ele representa um personagem do Velho Testamento e é considerado o PATRIARCA DOS JUDEUS, mas Paulo diz que “Abraão creu em Deus e isso lhe foi imputado por justiça” (3.6). Ser filho de Abraão (3.7), não é ser descendente sanguíneo, mas crer como ele creu, ou seja, uma filiação que procede da fé, não do sangue. Em Abraão, Deus preanunciou o Evangelho aos gentios (3.8), demonstrando a universalidade e o papel missionário do Evangelho. Abraão é o Pai da Fé (3.9). A Lei foi criada para condenação, pois o que tropeça na Lei é maldito (3.10), a justificação vem pela Fé.

Isso mostra que Paulo vivia os conceitos da nova religião cristã revelada. Paulo defendia essa doutrina no seu dia a dia tanto como dos gentios como dos judeus. Aqui ele busca uma figura do Antigo Testamento, as Escrituras dos Judeus, para fundamentar sua teologia. Ele prova que Abraão foi justificado pela fé:“E creu ele no SENHOR, e foi imputado isso por justiça” (Gn 15.6).

O patriarca Abraão correspondeu com a exigência da fé e Deus o aceitou nessa base. O argumento do judaísmo, baseado em Gênesis 17, afirma que as bênçãos divinas foram prometidas a Abraão e aos seus filhos. Para se tornar semente de Abraão e ser incluído na sua linhagem, era necessário ser circuncidado. Mas o apóstolo Paulo diz que não; o que importa não é ser filho da carne, mas do Espírito, pela fé. Os filhos da promessa, ou seja, aos filhos de Abraão que haviam começado na lei do Espírito estavam voltando-se para a lei mosaica, acabaram na carne e por isso Paulo faz a seguinte pergunta:

“Aquele que vos dá o Espírito e opera maravilhas faz pelas obras da lei, ou pelas obras da fé?” (Gl 3.5).

Abraão nada mais fez para ser aceito por Deus senão exercer a sua fé. Como agora na dispensação da graça os legalistas querem ser justificados pelas obras da lei?

Os falsos mestres judaizantes diziam que só podia alguém ser aceito por Deus se fosse filho d Abraão.

Os judaizantes diziam que filho de Abraão, no sentido espiritual, é todo aquele que apresentar semelhança espiritual com ele, cuja vida seja moldada pela fé. Assim, “os que são da fé são filhos de Abraão” (v. 7). Por isso que o apóstolo Paulo não se cansava de dizer que o verdadeiro israelita é o cristão, independente de sua etnia (Rm 4.12-17; 9.8, 30-32).

Quando recebemos Jesus Cristo em nossa vida, deixamos de ser gentios: (Ef 2.11-22).

A circuncisão como exigência da lei não deve ser vista isoladamente do conjunto entre aliança e lei. Com a observância da lei, o povo responde à aliança de Deus, aceitando-se o principio da Torá.

O discurso de Paulo na sinagoga de Antioquia diz:

“Tomai, pois, irmãos, conhecimento de que se vos anuncia remissão de pecados por intermédio deste; e por meio dele, todo o que crê é justificado de todas as coisas das quais vós não pudestes ser justificados pela lei de Moisés” (At 13.38-39).

Posto que a ressurreição e o perdão dos pecados por Cristo tivessem sido proclamados por Pedro (2.32, 36, 38; 3.15, 19; 5.30, 31; 10.40, 43), há este tempo ninguém tinha pregado tão explicitamente que os homens podiam ser justificados tão somente na base da fé. Obter pela fé posição com Deus que pudesse fazer entrar o indivíduo na posse da segurança da salvação significa que as obras da lei eram inúteis e desnecessárias. Isto significa um avanço novo e ousado na verdade a respeito de Cristo. Acima de tudo, marcou um novo começo no pensamento teológico da Igreja, depois dos acontecimentos desta jornada é que saiu a doutrina paulina da justificação pela fé. Por isso, já não se deve buscar a salvação através das provisões do antigo concerto, nem pela obediência às suas leis e ao sistema de sacrifícios. A salvação agora, tem lugar de conformidade com as provisões no novo concerto, a saber, a morte expiatória de Cristo, a sua ressurreição gloriosa e o privilégio subseqüente de pertencer a Cristo Jesus (Gl 3.27).

Convém analisar a posição de Paulo aos romanos para compreender o sentido dessa seção:

“Pois que diz a Escritura? Abraão creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça. Ora, ao que trabalha, o salário não é considerado como favor, e sim como dívida. Mas, ao que não trabalha, porém crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é atribuída como justiça”(Rm 4.3-5).

Creu Abraão em Deus. A salvação pela fé, e não pelas obras (pela guarda da lei), não é uma doutrina peculiar do NT; é um ensino característico do VT. Paulo retrocede no tempo, para além de Moisés, e toma Abraão como exemplo de fé. Abraão tinha fé em Deus, cultivava um dedicado e leal relacionamento com seu Deus, cria nas promessas (vv.20, 21; Gn 12.1-3; 15;5-6) e havia em obediência ao Senhor (Gn 12.1-4; 22.1-19; Hb 11.8-19; Tg 2.21-22).

A Abraão, a fé foi “imputada” por justiça. “Imputar” no gr. logizomai, significa creditar na conta da pessoa. A fé que Abraão tinha era uma fé genuína, pela qual ele perseverava, cria, confiava, obedecia, fortalecia-se e dava glória a Deus (vv. 16-21). Esse tipo de fé que nos torna filhos de Deus. Isso significa que a fé salvífica do cristão é tida como equivalente à justiça no tocante ao seu efeito.

Paulo fala seis vezes, em Rm 4, de “imputar” ou “atribuir a justiça” ao crente, e, em cada caso Paulo afirma claramente que é a “fé” do crente que lhe é contada ou imputada como “justiça” (vv. 3, 5, 6, 9, 11, 22).

Imputar a fé do crente como justiça não é, porém resultado exclusivo da nossa fé em Cristo ou da nossa entrega a Ele; é acima de tudo, um ato de graça e misericórdia divina (v.16).

Quando Deus vê o coração do crente voltado para Cristo com fé, Ele lhe perdoa, graciosamente, os pecados, imputa-lhe a fé como justiça e aceita-o como seu filho (vv. 5-8).

Na ilustração que Paulo deu a justiça no capítulo 4, ele não declara em parte alguma que a justiça de Deus ou de Cristo é, na realidade, imputada ou comunicada ao crente. Devemos tomar cuidado para não descrever a justificação como decorrente da guarda da lei do AT por Cristo, e daí comunicada por Ele, ao crente. Se a justificação fosse pelos méritos da guarda da lei, transferido ao homem, então não se trata do mesmo tipo de fé que Abraão (v.12), e isso por sua vez, anula a promessa (v. 14) e torna a salvação um resultado do mérito, e não da graça (v. 16). Paulo declara enfaticamente que a justificação e a retidão não decorre da lei (v. 13), mas da misericórdia, graça, amor e perdão de Deus (vvs. 6-9), e que a fé de Abraão (sua crença, sua dedicação a Deus, sua forte confiança e inabalável firmeza em Deus e nas suas promessas), lhe é atribuída como justiça, pela misericórdia e graça de Deus (vv.15-22).

“Não foi por intermédio da lei que a Abraão ou a sua descendência coube a promessa de ser herdeiro do mundo, e sim mediante a justiça da fé. Pois, se os da lei é que são os herdeiros, anula-se a fé e cancela-se a promessa, porque a lei suscita a ira; mas onde não há lei, também não há transgressão” (Rm 4.13-15).

O direito de estar diante de Deus vem somente pela fé. Abraão recebeu à promessa de Deus pela fé, muito antes que a lei de Moisés fosse enviada. A salvação não é obtida mediante a observação da lei. O legalismo muda o foco do poder de Deus, transferindo-o para a habilidade de alguns indivíduos em observar a lei. Com a lei surgiu um crescimento de consciência de pecado e ira de Deus. Por meio da fé é que se concretiza a promessa de Deus (2ª Co 4.6).

Os verdadeiros herdeiros de Abraão são os que recebem a promessa de Deus pela fé, assim como Abraão. Todos os que têm fé em Jesus Cristo são herdeiros da promessa de Deus. Os verdadeiros descendentes de Abraão não são aqueles que estão debaixo da lei, mas aqueles que têm fé (Rm 4.16-25).

A essa afirmação, segundo Paulo, deve acrescentar-se ainda: os que seguem a lei não são somente pecadores, eles também esperam algo falso da lei, pois o próprio Deus estabeleceu na Escritura que somente o que é justo, a partir da fé, alcançará a vida (3.11). Essa citação de Hc 2.4 coincide com a palavra de Deus a Abraão em Gn 15.6 = Gl 3.16. Desse modo, a própria lei indica que para obter a salvação falta ir por cima e para além dela própria. Os judaizantes esperam da lei algo que ela não pode dar. Com isso, Paulo tem o caminho livre para conceber a descendência de Abraão, para quem vale a promessa divina, em sentido exclusivamente cristológica (Gl 3.16), para encontrar o caminho da salvação, na comunidade cristã da fé.

2. FÉ OU OBSERVÂNCIA DA LEI?

1. A extensão da maldição.

“Todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição, (claro se eu sou gentio e há uma verdade para eu viver, há um evangelho, há uma revelação, e eu vivo debaixo das obras da lei, eu estou debaixo de maldição), porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas escritas no livro da lei, para praticá-las. Ora, a lei não é da fé, mas o homem que fazer estas coisas por ele viverá” (Gl 3.10-12).

Aqui se contrapõe, de início, os que seguem a fé e os que seguem a lei, e estes últimos que constroem sua vida a partir das obras da lei; estão sob maldição, sob a morte (3.13; 1ª Co 15.56), porque nunca conseguiram cumprir todos os preceitos da lei (Gl 3.10).

Se Paulo estivesse exigindo o cumprimento da lei para os Gálatas, estaria nesse sentido conduzindo os cristãos ao pecado, pois pela lei vem o conhecimento do pecado.

Todos os que olham unicamente para as próprias obras como mandamentos de Deus estão, de fato, debaixo da maldição. Aqueles que confiam insensatamente nas obras acreditam que têm dentro de si a capacidade de praticar tudo o que Deus mandar. Todavia, não há maneira humanamente possível de obedecer à lei completamente e o tempo todo. A lei não pode justificar ou salvar; ela pode somente condenar (Dt 27.26). Não é a obra humana, mas a obra de Cristo que salva.

Jesus assumiu os nossos pecados na cruz, Ele se fez pecado por nós (Rm 8.3; 2 Co 5.21) Paulo tirou a expressão “Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro” de Deuteronômio 21.23. A morte no madeiro era sinal externo da maldição na legislação judaica. Isso, obviamente serve também para morte de cruz ou cruz de Cristo. Às vezes os escritores do Novo Testamento usam a palavra “madeiro” para designar a cruz de ou a cruz de Cristo (At 5.30; 1ª Pe 2.24).

O apóstolo mostra que a maldição foi removida quando Cristo a tomou sobre si, e isso permitiu aos gentios retornarem a fé. Portanto, a “benção de Abraão” (v. 14) significa a justificação pela fé e a posse do Espírito Santo.

Jesus nunca pecou, nunca conheceu pecado, era “santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e feito mais sublime do que estão no céu” (Hb 7.26).

Paulo não diz que Jesus é maldição, mas que se fez maldição por nós, para remir da maldição da lei.

Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldito por nós, porque está escrito: “Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”. Para que a benção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo e para que, pela fé nós recebemos a promessa do Espírito.

Abraão experimentou a Fé, Jesus experimentou a Fé. Moisés introduziu a Lei e a sua interpretação errada criou um caos que foi enxergado por Cristo. Paulo então diz: “Cristo nos resgatou da maldição da Lei” (3.13) porque assumiu o caos espiritual do mundo “tonando-se Ele próprio MALDIÇÃO” ao escolher para Si a CRUZ que era nossa (3.13). O Amor demonstrado por Jesus Cristo na Cruz criou uma ponte para que a benção de Abraão chegasse até nós (3.14).

Porque a pessoa acaba por não conseguir praticar toda a lei, nunca ninguém conseguiu cumprir toda lei, por isso nunca aperfeiçoou ninguém, a pessoa fazia tudo certo, tropeçava em alguma coisa, está tudo anulado, ela estava sempre debaixo de maldição e morte.

A confiança em si mesmo traz a queda; a confiança em Deus traz a vida. Estas palavras são citadas três vezes no Novo Testamento (Rm 1.17; Gl 3.1; Hb 10.38). O homem foi e sempre será salvo pela graça mediante a fé. Todavia, no VT, Deus já alertava o Seu povo através do profeta Habacuque: “... mas o justo viverá pela fé” (2.4).

Do texto bíblico, e à luz de todo o contexto, percebe-se que a lei, embora ordenada para o bem, não conseguiu justificar ninguém, mas mostrou ao homem suas transgressões e culpas e o levou a conhecerem sua miséria e impotência e, partindo daí, a se humilharem diante de Deus, arrependerem-se e serem salvos mediante a fé. Todavia, em si mesma, a lei não tinha poder algum para levar o homem ao Criador:

“E é evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé” (Gl 3.11).

Disse Paulo: “O justo vivera pela fé” Não da Lei, não da religiosidade, não das experiências meramente místicas, mas sim, da fé, que foi entregue pela graça de Deus (Ef 2.8). Sem graça não há fé e sem fé não há salvação.

Mas algumas “igrejas” dizem que não, que o justo tem que viver pelas obras, pois não está vivendo conforme a verdade do evangelho.

Não, estou sendo verdadeiro, é evidente, pela lei ninguém é justificado, o justo viverá pela fé, e diz o: Versículo 13:

“Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar, porque está escrito; Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro”.

Cristo nos resgatou da lei, Ele pagou o preço por nós, Ele sofreu por nós, Ele cumpriu a lei em nosso lugar, Ele deu fim à lei. Jesus nos livrou e nos resgatou fazendo o sacrifício dos sacrifícios.

Jesus disse para que o meu povo não tenha mais que se sacrificar, Eu vou fazer o sacrifício dos sacrifícios, Eu vou dar a minha vida, Eu vou derramar o meu sangue e vou morrer e vou ressuscitar, ninguém vai conseguir fazer um sacrifício desses. Eu vou fazer um sacrifício, Eu vou me tornar maldição para que o meu povo não viva mais, debaixo de sacrifícios. Ele fez a obra das obras! O que os altares fazem? Trazem a lei com os sacrifícios para a vida das pessoas. Jesus nos resgatou da maldição da lei, e os altares aí fora, trazem lei e obras para a vida das pessoas. É por isso que o evangelho ainda não se tornou o que deveria ser.

Esta persuasão não vem daquele que vos chama! Amado, Deus lhe chamou para viver a verdade, você está aqui para viver a verdade, você não vai ser nunca mais enganado na vida! A graça de Deus está no seu coração! Um pouco de fermento leveda toda massa, então, isso se chama rebelião contra Deus e rebelião é pior que feitiçaria, a pessoa que se mete nas obras da lei que Cristo nos resgatou de lá, mas os altares jogam para a vida das pessoas. Fazer isto, é desprezar a obra de Cristo é anular o que Ele fez na cruz.

“De Cristo vos desligastes, vós que procurais justificar-vos na lei; da graça decaístes” (Gl 5.4).

Estão desligados de Cristo! A tradição diz que eu tenho que carregar a minha cruz, não é isso que dizem? É, estão baseados em quê? Vamos ver.

Então, convocando a multidão e juntamente os seus discípulos, disse-lhes:

“Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me” (Mc 8.34).

E aí você pergunta: “cadê a minha cruz?”

Você quer uma cruz para carregar, quer? Eu mando buscar, ali no monte das oliveiras! Jesus disse: se você quiser vir após mim tem que se negar, abandone a sua família, deixe o seu marido chorando em casa, deixe a sua esposa pra lá, tem que se consagrar e olha toma a sua cruz. Amados, ai você vê Jesus, judeu na carne, falando a outros judeus, você é judeu? Não! Não é com você, e mais, Jesus estava no cumprimento da lei. Nesse momento da história, Jesus ainda não tinha carregado a cruz por nós.

“Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas, não vim para revogar, vim para cumprir”(Mt 5.17-18).

Versículo 18 “Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra”.

Então, para que Jesus desse fim à lei, ele tinha que cumprir toda lei. Quando Jesus disse: carregue a sua cruz e me segue, ele estava ali judeu na carne falando a outros judeus, no cumprimento da lei.

“A seguir, Jesus lhes disse: São estas as palavras que eu vos falei, estando ainda convosco: importava se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos” (Lc 24.44).

Tudo tinha que ser cumprido! Mas você se lembra o que ele fez na cruz? Vamos relembrar:

“Cristo nos resgatou da maldição da lei, (eu não tenho mais que carregar a cruz), fazendo-se ele próprio, (Ele já estava ele mesmo, ele próprio fazendo-se o que?), maldição em osso lugar, (então, ele foi o seu substituto, o meu substituto, ele carregou a cruz em seu e em meu lugar, para que nem você, nem eu tenhamos mais que carregar a cruz), maldito todo aquele que for pendurado em madeiro”. Continua dizendo que “Para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios, em Jesus Cristo, a fim de que recebêssemos, pela fé, o Espírito prometido” (Gl 3.13-14).

“Porque lhes dou testemunho de que eles têm zelo por Deus, porém não com entendimento”(Rm 10.2).

As pessoas não entendem isso, elas têm zelo por Deus, elas querem carregar a cruz, elas chegam à Igreja e dizem: me dá a cruz mais pesada, eu quero a mais pesada, eu quero sofrer como sofreu Jesus; eu quero andar de joelho pagar promessas etc. Eu vim para esta Igreja para viver a minha via crucis! Você veio para cá para viver sua via crucis, carregando a cruz? Bom Jesus disse carrega a sua cruz, você tem que se negar, carregue bem, mas ele não tinha carregado ainda a cruz por você, diz que no nosso lugar, no meu lugar ele já carregou a cruz.

A preocupação de Paulo determinava que o zelo pode ser mal orientado. O zelo que tinham pela Lei os estava deixando cegos para a liberdade e a verdade encontradas em Cristo. Mas, considerando o falso ensino que havia no meio deles, o apóstolo tem um bom motivo para estar perplexo com a condição espiritual dos gálatas (Gl 4.17, 18). E esta tem sido a preocupação das lideranças de hoje com suas ovelhas.

“Porquanto, desconhecendo a justiça de Deus e procurando estabelecer a sua própria, não se sujeitaram à que vem de Deus” (Rm 10.3).

Então, se ele já carregou a cruz, se ele já se fez maldição no nosso lugar, eu tenho que entender isso, e eu não posso estabelecer a minha justiça própria, eu tenho que me sujeitar o que vem de Deus.

“Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê” (Rm 10.4).

Você crê na justiça que vem de Deus, você crê que Cristo já carregou a cruz no seu lugar, você crê que não há mais maldição na sua vida, e que a benção de Abraão chegou a você. Então, você não tem que carregar a cruz de nada, você é um abençoado, ele carregou de uma vez por todas! Amados, viver carregando um fardo, uma cruz não lhe torna mais santo ou mais amado por Deus. Eu quero a cruz mais pesada eu quero andar uma milha de joelhos para que Deus me ame mais, isso não torna você mais amado ou santo, porque Hebreus 7.19 “(Pois a lei nunca aperfeiçoou coisa alguma), e, por outro lado, se introduz esperança superior, pela qual nos chegamos a Deus”.

Esse sacrifício, esse fardo, esse jugo, a cruz, as obras, isso não aperfeiçoa ninguém, isto não lhe torna mais amado por Deus ou mais santo. Mas graças a Deus, que há uma esperança superior, que é a graça. Porque estamos vivendo a palavra da graça, não há mais cruz para carregar.

“Mas, porque que não há mais cruz”?

Porque Jesus já fez isso por nós, mas ele falou, ele estava no cumprimento da lei. Jesus judeu era carne, falando a outro judeu, ele não tinha carregado ainda a cruz no nosso lugar.

“Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre” (Hb 10.14).

“Sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei e sim mediante a fé em Cristo Jesus, (então, tem que ter fé, por isso que o justo viverá pela fé.

“Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem”(Hb 11.1).

Você tem que ter fé que Cristo já carregou a cruz por você, você tem que ter fé que Cristo já perdoou os seus pecados, já lhe aperfeiçoou para sempre, e que o sangue de Jesus já lhe lavou do alto da cabeça às plantas dos pés, que não há mais condenação para sua vida, que a salvação está garantida, é um eleito de Deus, um predestinado do Senhor, uma ovelha de Cristo, que a benção de Abraão chegou a sua vida, você tem que ter fé que Ele quebrou a maldição na cruz do calvário, você tem que ter fé nisso.

Paulo os chama de “insensatos”, mas no versículo 10 de “malditos”. Paulo passa a mostrar à luz das Escrituras Sagradas, usadas pelos judaizantes, a maldição dos legalistas. Maldição é o contrário de benção. Todos aqueles, pois que são das obras da lei no verso dez, mostra que a maldição não se restringe apenas aos judaizantes. O Espírito Santo está mostrando que esta maldição é extensiva a todos os que procuram se justificar pelas obras da lei, ou aqueles que usam as tradições obrigatórias e primárias as Escrituras.

“E é evidente que, pela lei, ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé. Ora a lei não é fé, mas o homem que fizer estas coisas por elas viverá” (Gl 3.11-12).

Paulo apresenta as alternativas da fé (v. 11) e da lei (v. 12) como formas de justificação. Entretanto, ao invés de justificar, a lei maldiz (v. 10), pois faz exigências que ninguém pode cumprir. A lei do Velho Testamento não vem da fé (13). Para que ninguém se glorie. Cristo cumpriu a lei e através da sua morte livrando-nos desta maldição.

Através da fé, recebemos os benefícios fornecidos por sua morte, incluindo a justificação (v. 11) e a promessa do Espírito.

O apóstolo apresenta outra realidade que os Gálatas deviam conhecer e com ela podiam repudiar os judaizantes. As duas passagens do Antigo Testamento; “O viverá da fé” (Hc 2.4), e “o homem que fizer estas coisas por elas viverá” (Lv 18.5), no vv. 11 e 12, mostram a superioridade do evangelho.

As duas declarações são antagônicas e excludentes entre si mesmas.

A primeira diz que você não precisa fazer nada; Deus já fez; só a fé é suficiente; é pela fé que o justo vive; entretanto, a outra declaração afirma que você precisa fazer algo para viver. Isso neutraliza a graça de Deus e a glória de Cristo é transferida para o homem.

Se não tivéssemos a posição firme do apóstolo Paulo, colocando a lei no seu devido lugar e explicando a superioridade do evangelho, o cristianismo, além de não ser religião distinta do judaísmo, não poderia ensinar a verdade da justificação dos pecados pela graça.

Então, o tema da mensagem é: pelas obras da lei ou pela pregação da fé. Eu estou mostrando que é pela pregação da fé. “O homem não é justificado pelas obras da lei e sim mediante a fé. Também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém será justificado”.

“Mas se, procurando ser justificados em Cristo, fomos nós mesmos também achados pecadores, dar-se-á o caso de ser Cristo ministro do pecado?” (Gl 2.17).

Se eu estou numa Igreja e aceito que o pseudo Pastor me chame de pecador, então, Cristo foi ministro do pecado, ele não ministrou o perdão na cruz, ele não trouxe justificação, ele não nos redimiu de nada, ele estava ali na cruz e disse: eu estou aqui para torná-los pecadores, Não! Estou aqui mentindo por alguns instantes, foi isso que Jesus fez? Eu vou dar o meu sangue, eu vou dar a minha vida, sabe eu já vim lá do trono, desci do trono, deixei o trono vazio me fiz carne, escolhi o ventre de Maria, incubadora, nasci judeu na carne, raiz de Davi, cumpri a lei, sofri, carreguei cruz, espinho, cuspida, chibatada, para agora aqui, olha vocês vão continuar a ser pecadores! Foi isso? Seria uma perda de tempo. O que os altares estão dizendo às pessoas, pregação de hoje, Jesus perdeu tempo, você tem que pagar o preço! Vai pagar caro quem está fazendo isso com o povo de Deus, escravizando, obrigando as ovelhas a viverem como judeus.

O Cristão é ministro do pecado? Certo que não! Em outras palavras, Paulo está dizendo, Gálatas, então mais a frente eu vou chamar vocês de insensatos, vocês vão crer ou não no que Cristo fez? Então você está se submetendo à justiça que vem de Deus, não é a sua própria, não é o seu joelho, não é o lápis enfiado no joelho, rótula cheia de pés aparecendo porque passou a noite toda ralando no milho, não.

Paulo está dizendo vocês vão fazer porque Cristo fez, então, para que ele fez? Esta é a minha pergunta ao sistema legalista, então, para que Jesus fez, se eu tenho que fazer de novo?

Onde é que vocês lavam o pecado dos outros?”

Na cruz do calvário! Glórias a Deus por isso! É pela fé que eu tenho que crer que o sangue de Jesus me lavou dos pecados, porque se não funcionasse, ele foi ministro do pecado, então, se ele não trouxe perdão, ele foi ministro do pecado, onde é que diz isto:

“Porque não me enviou Cristo para batizar, mas para pregar o evangelho; não com sabedoria de palavra, para que se não anule a cruz de Cristo” (1ª Co 1.17).

Claro, eu fiz a circuncisão, guardo sábado, eu não como carne de porco, e por isso eu vou ser salvo! Eu estou anulando a cruz de Cristo.

“Ora, neste caso, seria necessário que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado” (Hb 9.26).

O que Deus aniquilou? O pecado.

“Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados”(Hb 10.14).

Aperfeiçoou para sempre, aqueles que hoje vivem uma vida reta porque crêem nisto.

“E disto nos dá testemunho também o Espírito Santo; porquanto, após ter dito”. “Esta é a aliança que farei com eles, depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei no seu coração as minhas leis e sobre a sua mente as inscreverei”. “Acrescenta: Também de nenhum modo me lembrarei dos seus pecados e das suas iniqüidades, para sempre (porque ele aniquilou o pecado)”. Ora, onde há remissão destes, já não há oferta pelo pecado” (Hb 10.15-18).

Então, se Cristo já aniquilou o pecado, já nos lavou não há oferta pelo pecado, eu não tenho que lhe colocar em um batistério, nem jogar água benta na sua cabeça, batismo por aspersão, por imersão, batiza, não, não há batismo aqui das águas, para remissão de pecados não! Precisamos entender que o batismo é uma ordenança de Jesus (Mt 28. 18-20), um ato publico de fé (At 2.41; 8.14-17).

“Carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro. (O que ele carregou?), os nossos pecados, (mas a tradição diz que quando você mergulha na água é como se você estivesse morrendo sendo sepultado com Cristo e ressuscitando com ele, ah! Isto tem que ser pela fé, não é nas águas de um batistério, eu tenho que acreditar que fui sepultado, morri e ressuscitei com Cristo, pela fé. Ah! Porque me batizam e dizem agora você está limpo, não é agora, então a água vai levar o seu pecado embora. Porque a pessoa não foi transformada no seu interior, ela está vivendo de símbolos, de rituais. Água não lava ninguém, até lava, mas a sua carne, não lava de pecados! “Para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas, fostes sarados” (1ª Pd 2.24).

Então, pela fé eu estou morto para o pecado, porque ele tomou sobre si todos os nossos pecados e enfermidades.

“Sabeis também que ele se manifestou para tirar os pecados, e nele não existe pecado” Tirou ou não tirou o pecado, tirou! Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu” (1ª Jo 3.5-6).

Vamos entender que a pessoa que está na igreja que não largou a vida velha, não é culpa de não ter passado pelas águas ou do irmão ao lado, é porque ela não O viu nem O conheceu, ela se convenceu e não se converteu. Quando você se converte, o seu velho homem é crucificado, você é revestido de Deus, é revestido do homem novo, segundo Deus. Aí você recebeu a palavra, a fé, o perdão, a justificação.

“Mas Jesus foi batizado”.

Sim Jesus foi batizado. O batismo do qual Jesus se batizou, era um ritual judaico da tribo dos Essênios. Só essa tribo batizava. Quem fazia parte dessa tribo era João Batista.

Eu lhe pergunto, Jesus foi batizado ele mesmo não batizava, ele mandava os discípulos a pregarem a Palavra. Jesus foi batizado, quantos pecados Jesus tinha? Nenhum! Então, o batismo não lava ninguém de pecado, Jesus não tinha pecado. Jesus foi batizado, porque ele veio cumprir a lei, e Ele nos trouxe a graça.

Jesus derramou o seu sangue, e ele tomou sobre si, ele aniquilou o pecado, isto é entendido somente pela fé:

“E eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados” (Mt 3.6).

Em Mateus diz:

“Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará (então a partir de Cristo ele vos batizará com que?), com o Espírito Santo e com fogo” (Mt 3.11).

“No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29).

João disse, este Cordeiro de Deus vai tirar todo pecado pelo seu sangue. Eu não preciso seguir os rituais judaicos, porque o sangue de Jesus vai lavar vocês. Então, ele tira o pecado ou as águas tiram o pecado? Ele. Se águas tirassem o pecado chamaríamos Cristo de pecador, porque ele foi batizado no cumprimento da lei. E o ladrão da cruz foi batizado? Não! “Mas Jesus lhes disse: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso” (Lc 23.43).

“É este a favor de quem eu disse: após mim vem um varão que tem a primazia, porque já existia antes de mim”. Eu mesmo não o conhecia, mas, a fim de que ele fosse manifestado a Israel, vim, por isso, batizando com água” (Jo 1.30-31).

“Porque João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” (At 1.5).

“Não me atrevo a falar de nada, exceto daquilo que Cristo realizou por meu intermédio em palavra e em ação, a fim de levar os gentios obedecerem a Deus, pelo poder de sinais e maravilhas e por meio do poder do Espírito de Deus” (Rm 15.18).

Aparentemente, isso significa que Paulo falara sobre coisas que Cristo fez através dele, por palavra e ações, isto é, pela proclamação da verdade, por sua demonstração em milagres e respostas poderosas à oração e em seu próprio exemplo de vida semelhante a Cristo. A pregação de Paulo foi confirmada por sinais e prodígios perante os olhos daqueles que o ouviam:

“Por força de sinais e prodígios, pelo poder do Espírito Santo; de maneira que, desde Jerusalém e circunvizinhanças até ao Ilírico, tenho divulgado o evangelho de Cristo” (Rm 15.19).

“E ele nos contou como vira o anjo em pé em sua casa e que lhe dissera: Envia a Jope e manda chamar Simão, por sobrenome Pedro, o qual te dirá palavras mediante as quais serás salvo, tu e toda a tua casa. Quando, porém, comecei a falar, caiu o Espírito Santo sobre eles, como também sobre nós, no princípio. Então, me lembrei da palavra do Senhor, quando disse: João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo” (At 11.13-16).

Como, pela palavra, diz que eles acreditaram na palavra e foram batizados pelo Espírito Santo.

Quando nós ouvimos a palavra e recebemos Jesus como Senhor e Salvador, somos batizados.

“Em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa;” (Ef 1.13).

Então, você ouve o evangelho, você crê, recebe a Jesus, batizado você está. Você precisa usar o sábado como meio de salvação? O sábado é o selo ou é o Espírito Santo que nos sela?

Amados, todos nós que recebemos Jesus e cremos na verdade e o confessamos como Senhor e salvador, fomos batizados, selados, revestidos, ungidos, cheios do Espírito Santo.

Escrevo detalhadamente para lhe mostrar o que é obra da lei, o que é pregação da fé. Na graça de Cristo não há obras, não há maldição, não há sacrifícios tudo nosso está baseado na graça e é através da pregação. A palavra é viva e eficaz (Hb 4.12)

Eu digo, Igreja de Cristo não é para continuar sofrendo! É por fé e graça e não por sacrifícios!

“Ó gálatas insensatos! Quem vos fascinou a vós outros, ante cujos olhos foi Jesus Cristo exposto como crucificado?” (Gl 3.1).

Quero apenas saber se receberam pela lei ou pregação da fé? Sai dessa lei, sois assim insensatos, começaram no Espírito agora caíram da graça.

Igreja Evangélica Assembléia de Deus
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

2 comentários:

  1. A maioria dos pastores evangélicos interpreta errado a Carta aos Gálatas. (Parte 1)
    Fiz-me acaso vosso inimigo, dizendo a verdade? Gálatas 4:16.
    Cansado, triste, chateado e desconsolado por causa do despreparo, da ignorância espiritual, ou até do farisaísmo da maioria dos pastores evangélicos, até dos mais famosos por todo o mundo, resolvi apontar seus crassos erros bíblicos, tais como “Jesus nos resgatou das maldições das leis”, onde por esse e por outros preceitos isolados ou não, por ignorância ou por pura conveniência doutrinária, atribuem as leis malditas citadas pelo apóstolo Paulo às leis do Decálogo do Senhor Deus, como se tal coisa fosse minimamente possível.
    Para quem se aplica a estudar a Carta aos Gálatas, dividida pelo homem em seis capítulos, vai notar que Está Escrito bem claramente que havia um grupo de Gálatas rebeldes à simplicidade do Evangelho, o da Graça e da Liberdade, da liberdade não das santas leis do Decálogo, pois isso está fora de questão porque está Escrito abaixo que Deus nunca muda em sua promulgações, mas das antigas leis escravas e retrógradas que, por isso mesmo, só duraram, só vigoraram até João (Batista).

    “...há alguns que vos inquietam...”. Gálatas 1:7

    “Eu quereria que fossem cortados aqueles que vos andam inquietando”. Gálatas 5:12).

    Esse grupo rebelde dos gálatas não se conformavam que as leis antigas, as de seus pais, das suas tradições, muitas vezes seculares, a partir de Jesus deixaram de existir na implantação da Nova Mensagem de Deus à Humanidade. Curiosamente, mesmo que não notado, isso caracterizou-se em mais um milagre grandioso de Jesus: Fez os judeus, em boa parte deles, abandonarem as ordenanças antigas, suas tradições antigas, suas leis antigas, enraigadas em suas almas, mesmo que algumas delas se caracterizassem como cargas pesadas - segundo o próprio Jesus, abaixo colocado - a favor da Religião da Graça, pois realmente foi difícil. Mas Está Escrito que tais leis, retrógradas, que escravizavam, que amaldiçoavam e que podiam matar dentro da lei, só vigoraram até João (Batista) Lucas 16:16.

    “Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com seu dedo querem movê-los...”. Jesus, em Mateus 23:4, se opondo contra os fariseus e suas leis retrógradas, as mesmas condenadas pelo apóstolo Paulo.
    A Verdade, como provaremos abaixo, é que as leis do Decálogo formaram os fundamentos do Evangelho, como também foram promulgadas por Deus para a humanidade, pois Está Escrito que o Senhor não faz distinção entre pessoas ou raças. Mesmo que resumidas, as 10 leis regulam perfeitamente todas as relações entre os homens e Deus e entre eles próprios, pois se todos obedecessem a essas leis de Deus o mundo seria um paraíso na Terra. Não haveria roubos, assassinatos e outros crimes; não necessitaríamos de muros, de fechaduras, de polícia, de exércitos, de armas, etc. etc. Por isso, mostraremos, sob as Escrituras, que quando o apóstolo Paulo repudiava as leis, essas nada tinham a ver com as leis do Decálogo. Para os que teimam em não aceitar isso, para esses provaremos, aqui a agora, que as Leis do Monte Sinai são perpétuas e absolutamente “imexíveis”.
    Vamos, então, colocar aqui os preceitos da Carta aos Gálatas mais usados pela maioria dos pastores citados na tentativa de burlar as leis de Deus, por pura conveniência doutrinária ou pelo menos na tentativa inútil de anular uma só delas, pois essa se consolida como uma pedra bem pontiaguda no sapato deles todos. Vejamos a VERDADE DE DEUS, impossível de refutar dentro da honestidade. Vem bem ao caso uma declaração de Paulo a um grupo de gálatas que tentava que certas leis antigas e retrógradas que escravizavam continuassem a validade também no Evangelho:
    Fiz-me acaso vosso inimigo, dizendo a verdade? Gálatas 4:16.
    Para quem se aplica a estudar a Carta aos Gálatas, dividida pelo homem em seis capítulos - vai notar que Está Escrito bem claramente que havia um grupo de Gálatas Continue

    ResponderExcluir
  2. A Maioria dos pastores evangélicos interpretam errado a Carta aos Gálatas (Parte 5)
    Só quisera saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Sois vós tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, acabeis agora pela carne? Gálatas 3:2,3
    Acima, Paulo abomina, novamente, as leis retrógradas, leis da carne, as leis das obras da carne (tais como as leis da circuncisão, do sacrifício de animais nos templos, a lei da morte e outras mais) que nada tem a ver com a fé cristã. Mas atenção, nada a ver com as obras de caridade por amor ao semelhante, imprescindíveis para a salvação. Isso está bem explícito no exemplo que Jesus nos deixou através do evento Jovem Rico, na Parábola do Samaritano, do Rico e Lázaro, e principalmente em Mateus, 25:31 a 44 onde Jesus nos revela, sinequaon, a salvação pelas obras e a condenação pela falta delas. Em I Coríntios 13.13 Está Escrito que o amor (amor com obras) é maior ainda que a fé. Confira. Mas confira mesmo!
    “Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las”. Gálatas 3:10.
    Esse preceito acima é o mais usado pelos ignorantes do Evangelho na tentativa da derrocada das leis de Deus, as do Decálogo. Mas as obras da lei citadas são exatamente aqueles que o grupo de gálatas tentou fazer vigorar, também, no Evangelho da Liberdade e da Graça, que naturalmente abomina as leis citadas acima, principalmente a lei da morte a pedradas, a lei dos sacrifícios de animais nos templos, a lei da segregação racial, como também a lei da circuncisão, lei da carne, um tipo de operação de fimose, à faca e sem anestesia. Quanto a isso, imaginem o apóstolo Paulo, frente a um grupo de pagãos convertidos ao cristianismo, dizendo a eles:
    “Meus irmãos, dou graças pela vossa conversão à religião de Jesus, mas para que ela se consolide, é necessário que eu agora, com esta faca, corte o prepúcio de vossos pênis para que se cumpra a lei. Vai doer em todos e em alguns vai infeccionar, mas só assim vocês poderão pertencer à religião da Liberdade e da Graça de Jesus”.
    Acima, se Paulo tivesse permitido que as leis das obras (como as citadas) integrassem o Evangelho, como pretendia o secreto grupo de gálatas, onde estaria a Liberdade e a Graça de Jesus? Por isso mesmo Paulo escreveu acima “que todos os que estão debaixo das leis das obras são malditos.
    “E é evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé”. Paulo cita, novamente, as leis retrógradas, que só valeram, num tempo, para regularizar as relações entre os hebreus israelitas nos sofridos 40 anos de deserto.
    “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”. Gálatas 3:13.
    Acima, Cristo nos livrou das trevas e nos conduziu para a Luz. Da maldição para a Graça. Das leis escravas para a Liberdade. Das Obras da carne para a fé.
    “Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar. De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que pela fé fôssemos justificados. Mas, depois que veio a fé, já não estamos debaixo de aio. Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus. Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo”. Gálatas 3:23-27 (Continue)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Contatos

Nome

E-mail *

Mensagem *

TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
DEMAIS IDIOMAS

LOCALIZAÇÃO E PAÍSES DOS VISITANTES

Copyright © Macelo Carvalho | Traduzido Por: Mais Template

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes