Jovens dispostos a testemunhar sua fé em Deus.


Texto: Daniel 1:8,9

Introdução: Todos sabemos que Nabucodonozor atacou Jerusalém com seu grande exército, no período que Jeoaquim era rei em Judá. Dentre os escravos que foram levados para Babilônia estavam alguns jovens que eram de família real/nobre e tementes a Deus.
Havia ficado em Jerusalém boa parte do povo, entre os quais estavam mulheres, crianças, idosos e pessoas muito pobres; pessoas que segundo o rei, não seriam tão úteis na Babilônia. Aspenaz era chefe dos empregados do palácio real e recebeu ordem para separar alguns dos prisioneiros para trabalhar para o rei; mas antes seriam submetidos a uma boa alimentação e depois de algum tempo o próprio rei faria a seleção. Entre os que participariam do concurso estavam Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Estes quatro jovens foram submetidos algumas provas que contrariavam sua fé, vida espiritual e religião, e por isso tiveram que tomar posturas de muita coragem e determinação para que seus princípios não fossem manchados. Em sua escala de valores Deus estava em primeiro lugar e disso não abririam mão.
O livro escrito pelo Profeta Daniel nos mostra com muita clareza que sempre vale a pena testemunhar de nossa fé em Deus. Se naquele tempo foi difícil, hoje não é muito diferente. Se na Babilônia se fazia necessário fé para enfrentar os desafios impostos pelos reis, hoje também é necessário crer para enfrentar os desafios nos quais somos submetidos diariamente. Infelizmente falta em nossa sociedade pessoas com a integridade de nossos jovens Judeus, pois a maioria nem precisa ser posta a prova para cair.
Esperamos encontrar nessas experiências a força necessária para prosseguir em nossa jornada de testemunho de nossa fé em Deus. E que o senhor se digne em nos abençoar em nossa caminhada cristã.

I – Passaram por uma prova física

A ordem veio de Nabucodonozor, estes jovens deveriam comer da melhor alimentação do Palácio. “O próprio rei escolheu a comida que devia ser dada aos jovens. Tudo do bom e do melhor, da própria despensa do rei, vinhos e carnes. Eles deveriam se alimentar dessa comida por três anos…” v.5. Mas Daniel propôs em seu coração nunca se contaminar com as iguarias do rei e disse isso a Aspenaz que ficou alarmado, mas aceitou fazer uma experiência de 10 dias.
Daniel pediu legumes para comer e água para beber e passados 10 dias estavam com aparência e saúde muito melhor do que os outros com tamanha fartura. E como conseqüência de sua fidelidade, Deus lhes deu uma capacidade fora do comum e logo conheciam muito bem toda literatura e ciência de sua época. Além disso deus deu a Daniel uma capacidade especial para entender os significados dos sonhos e visões.
Na hora da entrevista com o rei para a seleção nenhum dos rapazes impressionou tanto o rei como Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Por isso eles passaram a fazer parte do grupo de conselheiros do rei.
Uma das grandes experiências foi contar o Nabucodonozor o sonho que ele mesmo havia tido e se esqueceu e dar a sua interpretação. Todos os mágicos, os encantadores, os feiticeiros e os astrólogos foram convocados e nada conseguiram fazer. E por isso todos foram condenados à morte; até que a notícia chegou a Daniel, que pediu um tempo para orar juntamente com seus colegas e depois dariam a resposta esperada pelo rei, dizendo: Nenhum mágico,….. pode responder, mas há um Deus nos céus que revela os segredos. E Daniel foi escolhido para ser chefe de todos os sábios da Babilônia, e ainda indicou seus amigos para serem seus auxiliares, responsáveis pelos negócios da província da Babilônia.

II- Passaram por uma prova religiosa/espiritual

O motivo do cativeiro era a idolatria. Agora Nabucodonozor constrói uma estatua de 30 metros de altura por 3 de largura e fez uma grande festa com orquestra e tudo para a inauguração e todos são obrigados a dobrar os joelhos e adorar a estatua. Qualquer pessoa que não fizesse isso seria jogada na fornalha acesa. Os três colegas de Daniel foram vistos em pé, quando todos se ajoelhavam. E não faltou quem comunicasse ao rei sobre a atitude daqueles jovens.
Agora tiveram uma oportunidade só para eles com toda a multidão olhando. A orquestra tocou só para os três. E o rei disse: Quero ver qual é o deus que vai poder livrar vocês de minhas mãos? E aqueles corajosos jovens responderam: Rei Nabucodonozor, nós não precisaremos responder a esta pergunta. Se o nosso Deus a quem nós servimos, quiser nos livrar, ele nos livrará da grande fornalha e também de tuas mãos, ó rei. Mas se Ele não quiser, mesmo assim, senhor, nós nunca serviremos os seus deuses e nem adoraremos a estatua de ouro que o senhor levantou. O rei ficou furioso e mandou aquecer a fornalha sete vezes mais do que o normal, chamou os homens mais forte do exercito e mandou amarrar os três e jogar na fornalha. O fogo estava tão forte que matou os soldados.
O rei olhou e viu quatro homens andando no fogo, e o 4º parecia ser um deus. O rei se aproximou o máximo que pode e gritou: Servos do grande Deus, saiam da fornalha. E percebeu que o fogo não tinha se quer tocado neles; nem um fio de cabelo havia siso queimado! As suas roupas não estavam queimadas! Nem cheiro de fumaça havia neles!
Enão disse: Bendito seja o Deus se Sadraque, Mesaque e Abedenego. E baixou um decreto que qualquer pessoa de qualquer povo, nação ou língua QUEM FALAR UMA PALAVRA CONTRA O Deus deles será cortado em pedaços e sua casa completamente destruída. Por que nenhum outro deus pode fazer o que Ele faz. Depois o rei promoveu os três que se tornaram homens importantes na província de Babilônia.
Depois dessa experiência se cumpriu o sonho que Daniel havia lembrado e interpretado ao rei, que foi expulso do palácio e viveu por sete anos com os animais no campo. Converteu-se ao Senhor depois dessa experiência e disse: “Por isso, agora, eu, Nabucodonozor, louvo, glorifico e honro o Rei do Céu, o grande Juiz, porque todos os seus atos são justos e bons. Ele pode humilhar os orgulhosos, fazendo-os arrastar-se no pó”.
Balsazar seu filho reinou em seu lugar e profanou os vasos do templo em uma festa com mil homens importantes do reino. Naquela mesma noite morreu e Dario, o medo assumiu em seu lugar.

III – Uma prova espiritual para Daniel

Dario dividiu o reino em 120 partes escolhendo governadores para cada uma delas. Esses governadores tinham que prestar contas a 3 presidentes, e um deles era Daniel. Em pouco tempo Daniel mostrou que era mais capaz do que os outros 2. Ele era muito inteligente e sábio e por isso estava sendo cotado para ser primeiro ministro. Com isso os outros presidentes e governadores ficaram cheios de inveja. Começaram procurar alguma coisa de que acusar Daniel, mas não acharam nada. Daniel era muito fiel e honesto em seu trabalho e ninguém podia acusá-lo diante do rei. Assim chegaram a conclusão de que para acusar Daniel só usando a religião dele.
Estudaram uma forma de fazer o rei assinar uma lei proibindo qualquer pessoa de orar – pedir alguma coisa a outra pessoa ou deus, senão só ao rei Dario, isso durante 30 dias apenas. E que qualquer pessoa que fosse pega orando seria lançada na cova dos leões. O rei assinou a lei de forma irrevogável.
Daniel tinha por costume se ajoelhar três vezes ao dia em seu quarto (2º andar) com a janela aberta em direção a Jerusalém e orava a seu Deus intercedendo pelo seu povo. Os que induziram o rei a assinar a lei foram em frente a casa de Daniel e lá estava ele de joelhos orando, fazendo pedidos ao seu Deus. Correram de volta e disseram ao rei. Quando o rei ouviu isso ficou furioso consigo mesmo e descobriu que havia caído na conversa dos outros e tentou defender Daniel, mas foi pressionado a cumprir a lei.
Daniel foi jogado na cova dos leões. O rei voltou para casa e não conseguiu comer e nem dormir durante a noite inteira. Bem cedinho foi a cova e cheio de tristeza gritou: Daniel, servo do Deus vivo, será que o seu Deus a quem você adora, foi capaz de salvá-lo dos leões? E para alegria sua Daniel respondeu: O meu Deus mandou o seu anjo, para fechar as bocas dos leões. Eles não me tocaram! Isso porque eu sou inocente diante de Deus; e contra o senhor também, rei Dario, eu não cometi crime algum.
Daniel foi tirado da cova dos leões e não tinha o menor aranhão porque tinha confiado em Deus.
O rei mandou jogar todos os que acusaram Daniel e foi festa para os leões. Se quer chegavam ao chão que os leões os despedaçavam. E houve então mais um grande decreto: “Eu decreto, que todos em todo o meu reino, respeitem o Deus de Daniel. Ele é o Deus vivo, o Deus que nunca muda. O seu reino nunca será destruído e o seu poder nunca acabará. Ele liberta e salva o seu povo, e não deixa que sejam mortos. Ele faz grandes milagres no céu e na terra. Foi Ele quem livrou Daniel dos leões”. Assim Daniel continuou sendo uma autoridade importante durante os reinados de Dario e Ciro.

Conclusão: A exemplo de Daniel, Hananias, Misael e Azarias, precisamos ter disposição para testemunhar de nossa fé em Jesus Cristo, onde quer que estejamos. No lar, vizinhança, colégio, trabalho, etc.

Obs.: Este sermão faz parte da antiga coletânia de sermões do Pr.Cirino Refosco.

Fonte: http://sermoesonline.pibja.org/2011/11/14/jovens-dispostos-a-testemunhar-de-sua-fe-em-deus/
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Contatos

Nome

E-mail *

Mensagem *

TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
DEMAIS IDIOMAS

LOCALIZAÇÃO E PAÍSES DOS VISITANTES

Copyright © Macelo Carvalho | Traduzido Por: Mais Template

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes