O Espírito Santo e o Pentecostes.

Pentecostes (em grego antigo πεντηκοστή [ἡμέρα], pentekostē [hēmera], "o quinquagésimo [dia]") é uma das celebraçőes importantes do calendário cristão, e comemora a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus Cristo. O Pentecostes é celebrado 50 dias depois do domingo de Páscoa (no 3º mês no 50º dia aós a oferta do feixe de cevada na festa dos Pães asmos.) incluía uma convocação santa com a restrição usual quanto ao trabalho manual. Em Números 28. 26-31 descreve o número e a natureza das ofertas; já em Deuteronômio 16.9-12 descreve os convidados para a festa. 
No NT o dia de Pentecostes ocorre no décimo dia depois do dia da Ascensǎo. Pentecostes é histórica e simbolicamente ligado ao festival judaico da colheita, que comemora a entrega dos Dez mandamentos no Monte Sinai cinquenta dias depois do Êxodo. Para os cristāos, o Pentecostes celebra a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos e seguidores de Jesus, através do Dom de línguas, como descrito no Novo Testamento, durante aquela celebração judaica do quinquagésimo dia em Jerusalém. Por esta razão o dia de Pentescostes é às vezes considerado o dia do nascimento da igreja. O movimento pentecostal tem seu nome derivado desse evento. 

O Pentecostes é o nome de uma festa do antigo calendário bíblico, (Ex 23.14-17; 34.18-23). Originalmente, essa festa é referida com vários nomes: 

Festa da Colheita ou Sega - no hebraico hag haqasir. Por se tratar de uma colheita de grãos, trigo e cevada, essa festa ganhou esse nome.(Ex 23.16). 

Festa das Semanas - no hebraico, hag xabu´ot. A razão desse nome está no período de duração dessa celebração: sete semanas. O início da festa se dá, cinquenta dias depois da Páscoa, com a colheita da cevada; o encerramento acontece com a colheita do trigo (Ex 34.22; Nm 28.26; Dt 16.10). 

Dia das Primícias dos Frutos - no hebraico yom habikurim. Este nome tem sua razão de ser na entrega de uma oferta voluntária, a Deus, dos primeiros frutos da terra colhidos naquela sega (Nm 28.26). Provavelmente, a oferta das primícias acontecia em cada uma das três tradicionais festas do antigo calendário bíblico. Na primeira, Páscoa, entregava-se uma ovelha nascida naquele ano; na segunda, Colheita ou Semanas, entregava-se uma porção dos primeiros grãos colhidos; e, finalmente, na terceira festa, Tabernáculos ou Cabanas, o povo oferecia os primeiros frutos da colheita de frutas, como uva, tâmara e figo, especialmente. 

Festa de Pentecostes. Outros nomes na bíblia desta mesma festa:Festa da Colheita, Festas das Semanas. As razões deste novo nome são várias: (a) nos últimos trezentos anos do período do Antigo Testamento, os gregos assumiram o controle do mundo, impondo sua língua, que se tornou muito popular entre os judeus. Os nomes hebraicos - hag haqasir e hag xabu´ot - perderam as suas atualidades e foram substituídos pela denominação Pentecostes, cujo significado é cinquenta dias depois (da Páscoa). Como o Império Grego passou a ter hegemonia em 331 a.C., é provável que o nome Pentecostes tenha ganhado popularidade a partir desse período. 

Do: Dicionário ilustrado da bíblia 

O ESPÍRITO SANTO 

Espírito Santo é o termo usado para traduzir o termo hebraico Ruach HaKodesh, utilizado na Bíblia hebraica (Velho Testamento) para se referir à presença de Deus na forma experimentada por um ser humano. Espírito Santo, parte da Santíssima Trindade, que exerce o poder do Pai e do Filho na criação e redenção. 

O espírito santo leva a pessoa: 

ao novo nascimento Jo 3.6, Ele vivifica Jo 6.63, Ele é o consolador, Ele è o unificador do Ministério dos Crentes Jo 14.16,26; é através do Espírito santo que Deus habita em nós Jo 15.26 

O Espírito Santo, a terceira Pessoa da Trindade, é, nas Sagradas Escrituras, denominado "o Espírito", "o Santo Espírito", "o Espírito de Deus", "o Espírito do Filho de Deus", e o "Consolador". 

O ESPÍRITO SANTO ATRAVÉS DA BÍBLIA 

Na criação / Velho Testamento 

O Espírito pairava por sobre as águas (Gn 1.2; Jó 26.13); foi dado a certos homens para realizarem a sua obra: Bezalel (Ex 31.2,3), Josué (Nm 27.18), Gideão (Jz 6.34), Jefté (Jz 11.29), Saul (1Sm 11.6), Davi (1Sm 16.13); foi especialmente manifesto nos profetas (Ez 11.5; Zc 7.12), foi dado para luz dos homens (Pv 1.23), prometido ao Messias (Is 11.2; 42.1), e a "toda a carne" (Jl 2.28). 

No Novo Testamento 

O Espírito Santo se manifesta no batismo de Jesus (Mt 3.16;Mc 1.10), e na tentação (Mt 4.1; Mc 1.12; Lc 4.1); imediatamente depois da tentação (Lc 4.14); e na ocasião em que Jesus, falando em Nazaré, recorda a promessa messiânica de Is 61.1,2 (cp. com 42.1-4). Do mesmo modo fala o Santo Espírito ao velho Simeão dirigindo-o nos seus passos e pensamentos (Lc 2.25-27). O dom do ES é, de uma maneira determinada, prometido pelo nosso Salvador (Lc 11.13). 

No Evangelho de João 

O ensino de Jesus quanto à obra do Espírito é mais preciso. "Deus é Espírito", com respeito à Sua natureza. A não ser que o homem novamente nasça "da água e do Espírito", ele não pode entrar no reino de Deus (Jo 3.5). O Espírito é dado sem medidas ao Messias (3.34). referindo-se Jesus às promessas messiânicas (Is 44.3; Jl 2.28) falou do Espírito que haviam de receber os que nele cressem" (7.39); porquanto, ainda não tinha sido dado (7.39); mas, na qualidade de consolador, Paracleto, Advogado (14.16,26; 15.26; 16.7; Jo 2.1); Espírito da verdade, por quem a verdade se expressa e é trazida ao homem (15.26; 16.13). Ele havia de ser dado aos crentes pelo Pai (14.16), habitando neles e glorificando o Filho (16.14), pelo conhecimento que Dele dava. Em 1Jo 3.24 a 4.13 esta presença íntima do Espírito é um dos dois sinais ou característicos da união com Cristo; e o Espírito, que é a verdade, dá testemunho do Filho (1Jo 5.6). 

Nos Atos 

A manifestação do Espírito é feita no dia de Pentecoste, e o fato acha-se identificado com o que foi anunciado pelo profeta (2,4,17,18); Ananias e Safira "tentam" o Espírito, pondo à prova a Sua presença na igreja (5.9); o Espírito expressamente dirige a ação dos apóstolos e evangelistas (1.2; 8.29,39; 10.19; 11.12; 16.7; 21.4); e inspira Ágabo (11.28). 

Nas epistolas de Paulo 

A presença do Espírito Santo está claramente determinada (Rm 8.11; 1Co 3.16; 6.17-19). É ele o autor da da fé (1Co 12.3; cp. com 2Co 4.13); no Espírito vivem os homens (Gl 5.25), por Ele são ajudados nas suas fraquezas (Rm 8.26,27), fortalecidos por Ele (Ef 3.16), recebendo Dele dons espirituais (1Co 12), e produzindo frutos como resultado da Sua presença (Gl 5.22). Por meio Dele há a ressurreição dos que crêem em Cristo (Rm 8.11). 

Pedro 

(1Pe 1.2) escreve acerca da santificação, como sendo obra do Espírito Santo. 

No apocalipse 

Se vê que João conscientemente é influenciado pelo Espírito (1.10; 4.2); e a mensagem dirigida à sete igrejas é a mensagem do Espírito (2.7,11,17,29). 

O Espírito Santo é uma pessoa da Santíssima Trindade, e não simplesmente um método de ação divina ( vejam-se especialmente as palavras de Jesus: Jo 14.16,17; 15.26; 16.7,8; Mt 12.31,32; At 5.3,9; 7.51; Rm 8.14; 1Co 2.10; Hb 3.7). 

O Espírito procede do Pai e do Filho (Gl 4.6; 1Pe 1.11). É Ele tanto "o Espírito de Deus" como "o Espírito de Cristo" (Rm 8.9). 
E assim nos mistérios da redenção, e de uma nova vida, na regeneração, na santificação, e na união com Cristo, é uma Pessoa que, na Sua operação, como auxiliador do homem, é ainda Aquele que pode ser negado, entristecido e apagado (Ef 4.30; 1Ts 5.19).

Do: Dicionário Bíblico Universal 

QUEM É O ESPÍRITO SANTO 

O Espírito Santo é uma pessoa e, juntamente com o, Pai e com o Filho, faz parte da Trindade Divina. É considerado uma pessoa porque exerce atributos de personalidade. 

a)- possui sentimentos – entristece-se, chora, geme, sente ciúmes (Romanos 8.28; Efésios 4.30); 

b)- tem vontade própria – dispensa os dons espirituais (I Coríntios 12.11); 

c)- são atribuídas a Ele atividades pessoais; Ele revela, ensina, clama, intercede, fala, ordena, testifica (II Pedro 1.21; João 14.26; 15.26). 

Nomes Dados Ao Espírito Santo 

Espírito de Deus – É tido por esse nome porque opera em todas as esferas, para cumprir a vontade de Deus. 

Por intermédio do Espírito, o Universo foi criado e é preservado (Gênesis 1.2). Ele é eterno, onisciente, onipresente e onipotente (Salmo 139.7-10). 

Espírito de Cristo – Não existe distinção especial entre os termos; Espírito de Deus, Espírito de Cristo e Espírito Santo. O Espírito é o mesmo, porém, os nomes descrevem Seus diversos ministérios. Ele é enviado em nome de Cristo (João 14.26). Sua Missão é a de glorificar a Cristo e estar sempre lembrando ao crente o que o Senhor Jesus fez por ele. 

Consolador – Certamente, quando o Senhor Jesus prometeu aos seus discípulos que enviaria um Consolador, sabia a tristeza que invadira o coração daqueles homens. A Sua partida deixá-los-ia inseguros, amedrontados, enfraquecidos. Pensavam ficar sem o Mestre, e se atemorizavam em pensar nas dificuldades que encontrariam para continuar pregando e ensinando acerca de Jesus. Jesus prometeu que eles não ficariam sós. “Eu rogarei ao Pai; e Ele vos dará outro Consolador para que fique convosco para fique convosco para sempre.” João 14.16. 

Ele enviaria outro, isto é, um igual a Ele, para suprir a Sua falta. Entretanto, Jesus não estava dizendo que se retiraria totalmente, para sempre. Ele continuaria desempenhando o Seu papel junto aos Seus (I João 2.1; Mateus 28.20). 

Consolador – Sua obra principal é a santificação. 

Espírito Santo da Promessa – Jesus prometeu enviar o Espírito Santo da Promessa para que os crentes fossem revestidos de poder (Lucas 24.49); isso aconteceu no dia de Pentecostes, em Jerusalém (Atos 2). 

Espírito da Verdade – Ele veio como revelador da verdade para os homens que ainda permanecem em seus pecados (João 16.7-14). É Ele que convence o homem de seu estado pecaminoso, mostrando-lhe a verdade que é Jesus. 

Espírito da Graça – Ele opera a fim de que o homem se arrependa (Hebreus 10.29). 

Espírito da Vida – Ele é o criador. No princípio, Ele estava na criação do mundo. Aquilo que o homem, por si só, não pode alcançar, Ele opera livrando-o do pecado e da morte (Romanos 8.2). 

Espírito de Adoção – Com a ajuda do Espírito Santo, o homem é capaz de ser salvo, e integrar-se à família de Deus, tornando-se filho por adoção e herdeiro dos bens celestiais (Romanos 8.15). 

Os Símbolos do Espírito Santo 

Fogo – Significa limpeza, purificação. O fogo aquece e também Ilumina (Mateus 3.11; Atos 2.3). 

Vento – Simboliza a obra regeneradora e sua misteriosa atuação (João 3.8). 

Água – é a fonte de água viva que lava, limpa, refresca,sacia a sede espiritual e faz frutificar (João 7.38,39). 

Selo – O Espírito Santo é como um selo, isto é, uma marca posta no crente para o dia da redenção. Essa marca é que assegura e garante o direito de posse da herança celestial (II Timóteo 2.19). 

Azeite – É o símbolo da unção – torna o crente útil; operando vida, beleza e transformação. 

Pomba – Significa brandura, paz, amabilidade. É isso que o Espírito Santo transmite ao pecador quando se chega a Jesus. Ele se apresenta para confirmar a presença de Jesus em nossa vida (Mateus 3.16). 

O ESPÍRITO SANTO NA VIDA DE JESUS 

Ele atuou na vida de Jesus, durante todo o tempo em que Ele permaneceu aqui na terra. 

No nascimento – Atuou na concepção de Jesus. O anjo Gabriel apareceu a Maria e transmitiu-lhe a mensagem de que ela seria a mãe do Salvador, o Messias Prometido. Em face do espanto da jovem, o anjo esclareceu que aquele acontecimento seria por obra do Espírito Santo (Lucas 1.35). 

No batismo – Da mesma forma que o Espírito Santo desceu sobre Maria, na concepção de Jesus, também desceu sobre o próprio Cristo por ocasião do Seu batismo no Rio Jordão. Ele O ungiu como profeta, sacerdote e rei. Santificou-O e O consagrou para cumprir a missão a que foi designado (Lucas 3.22). 

No Ministério – Após o batismo, Jesus foi levado ao deserto, onde foi duramente tentado por Satanás. Ele não cedeu porquanto estava revestido do poder do Espírito Santo que vem sobre Ele na ocasião do batismo. E, assim, aconteceu no decorrer de todo o Seu ministério terreno (Lucas 4.18). 

Na crucificação – Jesus recebeu a força e poder do Espírito Santo para suportar todas as auguras da morte. A Bíblia diz: “Quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito Eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes o Deus Vivo .” Hebreus 9.14 

Na ressurreição – O Espírito Santo foi o agente vivificante na ressurreição de Jesus (Romanos 1.4). O mesmo Espírito que estava n’Ele foi dado aos discípulos (João 20.22), para poderem suportar as dificuldades futuras. Esse ato, certamente, estava testificando para os discípulos que Jesus não estava mais morto, porém vivo e poderoso. 

Na ascensão – Naquele importante momento em que o Senhor Jesus deixava a terra para voltar ao Pai, agora despido da natureza humana, estava novamente ligado e participante da Trindade Divina: Pai, Filho e Espírito Santo, um só Deus (Mateus 28.19; João 5.19; João 14.26). 

A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO AQUI NA TERRA 

O Espírito Santo foi concedido para continuar a obra do Senhor Jesus. 

Com Relação ao Pecador 

Ele veio para convencer o homem do pecado, da justiça e do juízo. Para que o homem se arrependa e creia em Jesus, é preciso que ele se conscientize dos seus pecados e seja convencido da verdade espiritual: o pecado da incredulidade separa o homem de Deus; Jesus veio tomar o lugar do homem, assegurando-lhe perdão, e para dar a certeza de que foi desfeita a separação entre Deus e o homem (Mateus 27.51; Hebreus 10.19); aquele que receber Jesus como Salvador, estará livre da condenação do juízo (João 8.36). 

Com Relação ao Crente 

O Espírito Santo opera uma obra completa no cristão. 

1. – Consola – João 14.16-17; 

2. – Conduz em toda a verdade, pelas veredas da justiça – João 16.13; 

3. – Ensina aquilo que é necessário para a caminhada desta vida – João 14.26; 

4. – Intercede quando o crente está fraco e sem poder para orar – Romanos 8.26. 

5. – Santifica o crente todos os dias, num processo crescente – II Coríntios 3.18 

Reveste o Crente de Poder 

Antes de subir para o céu, o Senhor Jesus prometeu que os crentes receberiam a virtude do Espírito Santo (Atos 1.8). Esse foi um acontecimento marcante na vida dos discípulos e, conseqüentemente, na vida da Igreja que estava nascendo. O revestimento de poder é descrito através do batismo com o Espírito Santo, experiência essa que é prometida a todo o que crê (Atos 2.39). É certo que toda a pessoa que aceita Jesus recebe o Espírito Santo. Mas aqui está se falando de revestimento de poder, isto é, outra porção do mesmo Espírito. Esse fato não aconteceu somente no dia de Pentecoste, mas a Bíblia registra o mesmo acontecimento em outras ocasiões. Paulo, ao visitar os crentes de Éfeso, ao perguntar se haviam recebido o batismo como Espírito Santo, eles responderam que ignoravam tal fato (Atos 19.4-6). Ele orou e todos foram batizados com o Espírito Santo, o que claramente se viu com o sinal evidente de falar em línguas estranhas. 

Com Relação à Igreja 

Ele opera em função do crescimento espiritual da Igreja. 

Na Obra Missionária 

É Ele quem separa e ordena pessoas para se dedicarem à obra de missões e evangelismo (Atos 13.1-4). 

Na Pregação da Palavra 

Quem quiser pregar o Evangelho ou ensinar a Palavra de Deus sem a unção do Espírito Santo está fadado ao fracasso. 

Na Oração 

O apóstolo Paulo ensina que a oração precisa também ser orientada pelo Espírito Santo (Efésios 6.18). 

fonte: http://www.ieqrecantoverde.com.br
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Contatos

Nome

E-mail *

Mensagem *

TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
DEMAIS IDIOMAS

LOCALIZAÇÃO E PAÍSES DOS VISITANTES

Copyright © Macelo Carvalho | Traduzido Por: Mais Template

Design by Anders Noren | Blogger Theme by NewBloggerThemes